Usuários da APCC da Reserva cobram ações educativas para motoristas

Segundo ciclistas, frequentemente carros furam os bloqueios feitos na Av. Lúcio Costa

De terça a quinta, das 4h às 5h30m, sete quilômetros da Avenida Lucio Costa, da Praia da Reserva até o início do Recreio, ficam bloqueados, dos dois lados, para o funcionamento da Área de Proteção ao Ciclismo de Competição (APCC). O trecho chegou a ser utilizado nas competições do esporte nos Jogos Olímpicos e, atualmente, beneficia mais de cem esportistas. Apesar do isolamento, porém, são frequentes os relatos de motoristas que furam as barreiras e cruzam a via em alta velocidade.

Preocupados com a segurança, os esportistas pedem uma campanha educativa para moradores e motoristas em geral, como explica o engenheiro Rodrigo Evangelho.

— São comuns as invasões à área da APCC, e um veículo em alta velocidade pode atingir diversos ciclistas de uma só vez. Também há muitos relatos de carteiradas, quando há agentes da CET-Rio ou da Guarda Municipal no bloqueio. Motoristas tentam intimidar os agentes — afirma.

Presidente da comissão de trânsito da OAB-Barra, o advogado Márcio Dias diz que, atualmente, o maior problema no local é a falta de educação dos motoristas. Até o início do mês, não havia policiamento, mas, a pedido do grupo, o 31º BPM tem patrulhado a APCC:

— Infelizmente, não há investimento do poder público na área de educação no trânsito. O motorista acha que pode fazer o que bem entender e não será punido.

Pelo Código de Trânsito Brasileiro, transpor bloqueio viário sem autorização é infração grave, punida com cinco pontos na carteira de habilitação e multa de R$ 293,47.

 

Fonte: O Globo