mudanças no trânsito_capa

Rio 2016: o que muda no trânsito da cidade e nos serviços de transportes

Saiba a melhor forma de chegar aos parques olímpicos e estádios

Confira qual é a melhor forma de chegar aos locais de competição, onde estacionar, como circular pelo Rio e que ruas já estão ou ficarão interditadas durante os Jogos Olímpicos.

TRANSPORTES

mudanças no trânsito_01

Ônibus do BRT no Terminal Alvorada na Barra – Luiz Ackermann / Agência O Globo

Moradores do Rio poderão usar o bilhete único ou vale-transporte para a maior parte dos meios de transporte. O cartão permite fazer integração entre dois ônibus municipais, um ônibus e VLT ou um ônibus e BRT no período de duas horas e meia pagando apenas uma passagem. Na integração com o trem, o valor das duas passagens fica em R$ 6,60.

Já o cartão especial para o período dos Jogos será aceito em ônibus, metrô, BRT, VLT e trem, mas não em vans, barcas e frescões. São três valores que correspondem a períodos de tempo no qual o espectador pode usar quantas passagens forem necessárias: R$ 25 (1 dia), R$ 70 (3 dias), R$ 160 (7 dias). O tempo começa a contar a partir do primeiro embarque e vai até a 1h59 do dia seguinte. A compra poderá ser feita pela internet, com entrega nacional (sujeita à taxa), ou nos pontos de venda, como estações de metrô, BRT, trem, Rodoviária Novo Rio e aeroportos.

COMO IR ÀS COMPETIÇÕES

Veja qual é a melhor forma de ir aos locais de competições pelo Moovit ou pelo Trafi.

ÔNIBUS

Consulte as linhas pelo número ou nome.

BRT

O Transcarioca (Galeão-Alvorada) e o Transoeste (Santa Cruz-Alvorada) funcionam todos os dias durante 24 horas. (Veja mais informações sobre o BRT)

Desde 18 de julho, o Transolímpico é de uso exclusivo aos passageiros que tiverem o cartão Riocard Olímpico. Esse BRT tem sete paradas funcionando durante os Jogos. São elas: Vila Militar, São José de Magalhães Bastos, Marechal Fontenelle, Morro do Outeiro, Riocentro, Olof Palme e Recreio.

BARCAS

As barcas vão navegar com velocidade reduzida em determinados horários e trechos das viagens durante os Jogos Olímipicos e Paralímpicos. O planejamento prevê também a alteração na rota das linhas do transporte aquaviário durante o período mencionado, o que poderá gerar alteração no tempo previsto de percurso e, consequentemente, nos horários de partida. (Confira as estações e os horários)

As interdições na Baía de Guanabara acontecerão até 19 de agosto, no trecho compreendido do sul da Ponte Rio-Niterói às proximidades da Ilha Rasa. Já durante a Paralimpíada, o período de mudanças será entre 31 de agosto e 17 de setembro, e a região com restrições será da cabeceira norte do Aeroporto Santos Dumont às proximidades da Boca da Barra. Sempre que houver impacto na operação, os passageiros serão comunicados através do sistema de som das estações e das embarcações. As mudanças valerão sempre das 11h às 18h.

TRENS

O sistema ferroviário conta com estações situadas próximas aos locais das competições. A partir do dia 3 de agosto a SuperVia iniciará o planejamento especial dos ramais Deodoro, Santa Cruz e Japeri para os Jogos Olímpicos. Além de serem os ramais por onde circularão os espectadores, concentram a maior parcela do público do dia a dia. A concessionária estima que cerca de 70% das pessoas que forem assistir às competições no Complexo de Deodoro e no Estádio Olímpico (Engenhão) utilizem os trens do Rio.

A principal medida implementada nos dias úteis será a redução dos intervalos de operação, mesmo fora dos horários de pico. No ramal Deodoro haverá redução de 4 minutos no intervalo entre os trens, ou seja, desde o início da operação até as 20h, o ramal funcionará com intervalo de 6 minutos. Já o ramal Santa Cruz terá intervalos de 8 minutos entre 8h e 20h (antes era de 16 minutos). O intervalo médio do ramal Japeri será mantido em 16 minutos e serão inseridas viagens extras, conforme demanda.

Nos locais onde estiverem acontecendo competições também haverá trens disponíveis ao público após o término da operação comercial partindo das estações próximas. Aos fins de semana e nos feriados, a concessionária acrescentará viagens à operação.

Confira os horários dos trens e outras informações no site especial da olimpíada da Supervia.

METRÔ

A Linha 1 opera das 5h à 1h30m e a Linha 2 das 5h à meia-noite nos dias úteis. Nos fins de semana, a Linha 1 funciona das 6h30m à 1h30m e a Linha 2 das 7h à meia-noite. No dia 14 de agosto, as linhas 1 e 2 funcionarão com horário de dia útil.

A Linha 4 do metrô vai funcionar desde esta segunda-feira (1º de agosto) até 21 de agosto para atender o público que for assistir às competições, as pessoas credenciadas (incluindo quem vai trabalhar nas arenas), a imprensa e os outros integrantes da família olímpica. O horário será variável. Nos primeiros dias, o serviço será aberto das 6h às 23h. Em 5 de agosto (feriado, dia da abertura do evento), vai comçar a operar às 7h e até as 2h do dia 6 de agosto. A partir de então, na maioria dos dias, a Linha 4 ficará aberta das 6h até 1h ou 2h do dia seguinte, para atender os espectadores das diferentes competições.

A estimativa é que o total de usuários, no serviço olímpico, chegue a 60 mil por dia — 20% do público que o sistema deve receber quando estiver operando em plena capacidade (300 mil passageiros diariamente). Entre 22 de agosto e 6 de setembro, a operação será suspensa para ajustes operacionais. Os serviços serão retomados, ainda com acesso limitado, entre 7 e 18 de setembro, durante a Paralimpíada.

A partir de 19 de setembro, o metrô começa a operar para o público em geral, mas em períodos limitados. Inicialmente, os trens vão rodar apenas das 11 às 15h, ampliando o horário de funcionamento até passar a operar na mesma faixa das Linhas 1 e 2 até o fim do ano. Na fase atual, sem o sistema de piloto automático, a estimativa é que a viagem entre Ipanema e Barra leve 13 minutos.

No período de operação restrita (voltada para os Jogos), o metrô vai manter um sistema de controle rígido. A viagem durante a Olimpíada exigirá uma baldeação na parte ampliada da Estação General Osório (Ipanema), onde o usuário, obrigatoriamente, terá que embarcar numa plataforma diferente para seguir até o Jardim Oceânico. Ali, seguranças vão cobrar a apresentação do ingresso e do tíquete olímpico. Nas demais paradas da Linha 4, o controle será feito antes de o usuário entrar nas estações.

 

 

Leia a matéria na íntegra no site do jornal O Globo.

 

Fonte: O Globo