Ciclovia-inacabadaParte-da-ciclovia-da-Estrada-do-Ri

Obras da ciclovia que ligará Vargem Grande até o Recreio estão paradas

Com falta de linhas de ônibus, faixa facilitaria a vida de quem sai do bairro para trabalhar

Ciclovia-inacabadaParte-da-ciclovia-da-Estrada-do-Ri

Perigo. Márcio Martins trafega por espaço sem acostamento – Ana Branco / Agência O Globo

O fim de ano chegou com esperanças renovadas para os moradores de Vargem Grande, que já tinham escolhido seu presente de Natal: a ciclovia da Avenida Vereador Alceu de Carvalho, que ligaria o bairro ao Recreio. Com destino à praia, o equipamento cruzaria a Avenida das Américas e seria uma opção para enfrentar o problema crônico de transportes no bairro. No entanto, passadas as festas, apenas um trecho da obra foi concluído, e a maioria dos problemas permanece.

Dos quatro quilômetros previstos para a ciclovia, aproximadamente a metade foi concluída, justamente no trecho menos problemático para os ciclistas: o ponto no qual a via foi duplicada, até a praia. O empresário Rogério Appelt, responsável pelo grupo de Facebook “Quero ir de bike das Vargens à praia sem ser atropleado”, com mais de três mil membros, cobra do município uma providência e lembra os desafios enfrentados pelos ciclistas que trafegam diariamente por ali.

— Como não há ônibus regulares, a bicicleta é fundamental. No trecho não duplicado, não há acostamento ou espaço para o ciclista, condenado a trafegar junto a carros e caminhões. E há escolas. Para a maioria das pessoas, ciclovia não é instrumento de lazer, mas de trabalho, principalmente para operários da construção civil que trabalham aqui — afirma.

Morador de Vargem Grande, o jardineiro Márcio Martins trabalha no Recreio e faz o percurso diariamente, três vezes por dia, há dez anos. Ele vai ao trabalho, almoça em casa, retorna para o emprego e só sai à noite. Há três anos, ele e o filho sofreram um acidente na Estrada Vereador Alceu de Carvalho.

— Fomos atropelados. O carro destruiu a bicicleta. Por sorte, só sofremos arranhões, mas tivemos que ir ao hospital e à delegacia — afirma.

A Secretaria municipal de Urbanismo, Infraestrutura e Habitação informou que os contratos da prefeitura foram suspensos em novembro pela antiga administração, e que a nova gestão os manteve para analisá-los. Por isso, a obra não tem previsão para conclusão ou para retomada.

Fonte: O Globo