O que você acha do desligamento de radares em áreas de risco no Rio

O que você acha do desligamento de radares em áreas de risco no Rio?

Multas pelos equipamentos bateram recorde no Rio com 3 milhões de infrações em 2016

O que você acha do desligamento de radares em áreas de risco no Rio

Radares que controlam a velocidade são os que mais multam na cidade. Na foto, um equipamento no Km 12 da Avenida Brasil, na Penha – Márcia Foletto – 19/05/2017 / Agência O Globo

 

Os cariocas têm sentido no bolso o peso de tantas infrações de trânsito. A cada dez segundos, um motorista é penalizado na cidade do Rio. Em 2016, a arrecadação da prefeitura com multas de trânsito, tanto de radares quanto as aplicadas por guardas, bateu recorde: o caixa público embolsou R$ 242.608.210,74, segundo dados do Rio Transparente, portal que reúne informações oficiais sobre receitas e despesas do município. É o maior valor arrecadado desde que o Código de Trânsito Brasileiro entrou em vigor, em 1998. O montante também é 32,7% maior do que a arrecadação do ano anterior, de R$ 182.763.761,04.

Um crescimento que chama atenção e poderia até ser maior já que, em outubro do ano passado, a prefeitura desligou 365 equipamentos de fiscalização eletrônica. A medida foi tomada depois que cinco contratos com empresas responsáveis pela operação dos radares foram suspensos. A receita não subiu apenas devido à atualização de valores de multas. As infrações crescentes ainda são um problema. No mesmo período, o total de multas aumentou 5,7%, passando de 3.096.368 para 3.273.063.

A proposta de retirar os radares de velocidade em áreas de risco, aprovada pela Assembleia Legislativa e sancionada pelo governador Luiz Fernando Pezão no último dia 16, ainda não avançou. A CET-Rio informou que a definição das áreas vulneráveis em que a medida será necessária cabe ao governo do estado.
O que você acha disso? Acesse o link e responda a enquete: https://goo.gl/SrXGwa

Fonte: Jornal O Globo