Interditada, ponte do Canal das Taxas isola da praia os moradores do Recreio

Prefeitura prometeu entrega em dezembro de 2016, mas as obras sequer começaram

Ponte Canal das taxas

Foto: Bárbara Lopes / Agência O Globo

Em abril do ano passado, a prefeitura interditou a passarela do Canal das Taxas que fica na altura da Rua Clóvis Salgado, mais conhecida como Ponte do Jacaré, devido ao mau estado de conservação. Removeu o assoalho, que colocava em risco a segurança dos pedestres, e prometeu entregar um novo equipamento até dezembro. Mas, apesar de já estar licitada desde setembro, a obra não começou.

Desde a interdição da ponte, que tem 15 metros de extensão, moradores e frequentadores da Praia do Recreio precisam caminhar quase um quilômetro pelas ruas Clóvis Salgado e Gláucio Gill até a orla.

Vencedora da licitação realizada em setembro passado para a construção desta passarela e de outra em frente à Rua Raul Amaro Nim Ferreira, orçadas conjuntamente em R$ 1,2 milhão, a CD Empreendimentos afirma aguardar o empenho dos recursos para iniciar a obra. A empresa precisa também de um memorando de autorização emitido pelo município, explica o sócio Luiz Dias.

— Estamos na dependência dos recursos e do documento para iniciar a construção das passarelas, que terão piso de concreto e estrutura metálica. Quando tivermos isso, poderemos iniciar as obras no dia seguinte — afirma.

O morador Júlio Maurício de Almeida cobra uma solução ainda para este verão:

— É nesta época que a procura pela praia é maior. Mesmo a ponte estando sem assoalho, há quem atravesse pelo que restou dela, correndo o risco de virar comida para jacarés.

Por meio de nota, o secretário municipal de Urbanismo, Infraestrutura e Habitação, Indio da Costa, informa que todos os contratos assinados no governo anterior estão sendo revistos, com o objetivo de reduzir custos, e, “a expectativa é que, até o dia 30, tenha-se uma visão mais clara da situação para iniciar as operações emergenciais”. Segundo ele, as reformas das duas passarelas sobre o Canal das Taxas está entre as prioridades.

Fonte: O Globo