A Cedae está virando o terror do Recreio

A Cedae tem causado transtornos históricos na Barra e no Recreio

Carro pipa

Caminhões pipas fazem a festa no recreio por conta da ineficiência da Cedae. Foto: Barra em Dia

A ineficiência da empresa tem causado transtornos financeiros para dezenas de condomínios, principalmente em trechos da Avenida Jarbas de Carvalho. Vários prédios estão há semanas sem água e sobrevivendo graças a contratação direta de caminhões pipas, que cobram mais de R$ 1 mil por viagem. Apesar da política de racionamento forçada o impacto na planilha de despesas dos prédios é imensa.

A irritação vai além da ineficiência técnica da CEDAE, o péssimo atendimento da Loja Estação Barra, que atende os clientes é deplorável. Ao invés de procurar uma solução eles jogam querosene na fogueira, com exigências burocráticas e exigindo a presença dos próprios síndicos para os encaminhamento dos assuntos e até para o ato de protocolo de uma reclamação.

A Cedae tem sido um dos gargalos no crescimento da região e nos últimos anos vem esfarelando. O reconhecimento internacional de excelência que alcançou já faz parte do passado. Saudade da era do Wagner Victer, quando o cliente passou a se passou a se tratado com respeito e a companhia parecia empresa privada.

Os síndicos estão pensando em mover uma ação indenizatória coletiva contra a empresa para tentar o reembolso das dezenas de caminhões pipas contratados, aliás é o único setor satisfeito com a piora dos serviços da Cedae.

Vergonhoso

O Secretário Estadual de Meio Ambiente André Correa desistiu da recuperação do sistema lagunar da Barra, um dos legados olímpicos que não serão honrados, talvez o mais grave de todos ao lado da recuperação da Baia da Guanabara.

No caso da Barra a solução era a mais simples, já que poderia ser feita com Parceria Público Privada – PPP e com utilização de capital internacional. Faltou pulso para decolar e coragem para buscar parcerias estrangeiras. O Governo do Estado não quis abrir mão desta rubrica de negócios e a falência do estado colapsou as soluções que estavam na mesa.

Teremos com o fim das outras obras uma região com equipamentos de primeiro mundo, porém com um sistema lagunar colapsado. Uma vergonha…ou melhor, total falta de vergonha dos responsáveis pela gestão do meio ambiente.

Sem licença

Os Bombeiros estão na eminencia de interditar a Cidade das Artes. Até hoje o alvará definitivo do equipamento não foi concedido. Os eventos que tem ocorrido lá só com autorização especial. Falta o recolhimento da taxa de incêndio. Um dos melhores equipamentos da Barra está atuando praticamente na clandestinidade.

Fonte: O Dia

*Leia a matéria na íntegra no site do jornal O Dia.